Testes em animais: qual preço da beleza?

Sua vida, mais linda ->
Eu Quero

Você sabia que grande parte dos produtos existentes no mercado são testados em animais?
Em março de 2013, foi definido que nenhum cosmético que contenha ingredientes testados em animais poderá ser comercializado nos 27 países pertencentes a União Europeia.
Leia algumas informações de como é a política de teste em animais no Brasil e algumas alternativas que você pode adotar!

Como são os testes realizados com animais?

Esses testes são considerados comuns para avaliação da segurança de produtos químicos como cosméticos, pesticidas e drogas farmacêuticas. No Brasil não existem estatísticas oficiais sobre o uso de animais na área de cosméticos. Embora não seja um requisito obrigatório, a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) tem os testes em animais em suas diretrizes oficiais e afirma que o uso de animais continua sendo necessário para os testes de cosméticos.

Em geral, são realizados com coelhos, ratos, hamsters e camundongos e anestésicos não são utilizados. Uma série de experimentos são realizados como por exemplo: esfregar produtos químicos sob a pele ou nos olhos.
Como se não bastasse, existe o teste chamado “dose letal”, bastante condenado, em que os animais são forçados a engolir grandes quantidades de um produto para determinar a dose mortal do mesmo.
Ao final dos testes, os animais são sacrificados, em geral por asfixia, quebra do pescoço ou decapitação, sem nenhum tipo de anestésico.

Atualmente no Brasil, a lei que regula a produção de cosméticos  permite o uso de cobaias em casos específicos, como para avaliar irritação e corrosão da pele, irritação ocular e toxicidade aguda. No Estado de São Paulo, empresas são proibidas de realizar testes em animais desde janeiro de 2014.

E nos demais países?

Existem países em que os testes de cosméticos em animais são proibidos.
Na União Europeia, os testes não são permitidos desde 2009 e a venda desse tipo de cosmético está proibida.
Israel colocou em prática leis similares a essa, em 2007 e 2013.
A Índia e a Coréia do Sul estão repensando sua legislação.
Na China, os testes são obrigatórios.
No Brasil, ativistas participaram da campanha nacional Liberte-se da Crueldade, organizada pela Humane Society International (HSI) e ProAnima, para acabar com os testes em animais.

cachorros da raça beagle
cachorros da raça beagle são grande alvo de testes em animais

Existe alternativa para esse problema?

Existem métodos alternativos, que são amplamente estudados e estão sendo avaliados por autoridades públicas para validar os produtos. Esses métodos consistem em modelos computacionais baseados em células humanas e fornecem resultado em horas ou dias, diferente de alguns testes em animais que podem levar meses ou anos para ser concluído.

Muitos testes em uso atualmente foram desenvolvidos em 1920 ou 1940 e nunca foram validados. O uso de animais pode ser ineficaz e não garantir segurança uma vez que eles podem responder de forma diferente dos humanos com relação aos componentes químicos.

Para garantir a segurança dos produtos, as empresas podem escolher ingredientes que possuem histórico de uso seguro junto com algum método alternativo, dentre os milhares existentes, que não envolvem o uso de animais. Inclusive é dessa forma que agem as empresas certificadas como livre de crueldade pelo programa Leaping Bunny, que é reconhecido internacionalmente.

O que você pode fazer para ajudar

Em primeiro lugar, conheça e escolha as marcas de produtos que não realizam testes em animais. Algumas empresas brasileiras de cosméticos eliminaram o uso de animais em seus testes de segurança e agora são livres de crueldade. São algumas delas:

  • Adcos
  • Bio Extratus
  • Contém 1g
  • Dailus
  • Dermage
  • Embelleze
  • Farmaervas
  • Granado
  • Impala
  • Latika
  • Natura
  • Grupo O Boticário

Para obter a lista completa (e atualizada em Agosto de 2018) de empresas que não testam seus produtos em animais você pode consultar o site do PEA (Projeto Esperança Animal).

No site do HSI, você pode assinar a declaração que apoia a proibição de testes de cosméticos em animais no Brasil. Além disso, é possível entrar em contato com a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC) e pedir que empresas tornem-se livre de crueldade.

Você já tomou alguma dessas medidas?


Aproveite essa chance para conhecer as marcas de cosméticos sustentáveis e livres de crueldade, aqui no Lar Natural!
Lembrando, é claro, que nenhuma delas realiza testes em animais.
Aí sim! 😉

Vamos fazer a nossa parte!
Os animais são nossos amigos.

Este post foi publicado em por