Obesidade modifica a percepção dos sabores

Está lutando contra a obesidade e tem dificuldade em perder peso? Sua língua pode ser uma das culpadas.

“Como assim Lar Natural? O que minha língua tem a ver com isso?”

Você pode achar surpreendente, mas é real e vamos explicar. Iremos falar sobre um novo estudo a respeito das papilas gustativas e como elas estão relacionadas diretamente com seu peso.  A conclusão foi: a obesidade modifica a percepção dos sabores.


Pesquisa sugere que pessoas obesas têm 25% menos papilas gustativas do que pessoas em seu peso normal.

 

Isso significa que ao adquirir (e acumular) tecido adiposo em seu corpo, você desequilibra a quantidade das células responsáveis por sentir os gostos, causando uma queda do número delas. Essas células são as nossas papilas gustativas e estão localizadas em nossa língua. O resultado dessa diminuição do número de papilas aguça a vontade de querer comer mais alimentos gordurosos e doces para satisfazer a “falta” dos sentidos.  Isso cria um efeito negativo, pois aumenta a tendência a ganhar mais peso. E quanto mais peso, menos papilas. Quanto menos papilas, mais vontade de comer gordura e açúcar.  E assim,  essa bola de neve torna-se um novo inimigo da sua luta.

Mas agora que já está tudo explicado, podemos driblar esse problema para que se instale a bola de neve inversa: Quando maior o emagrecimento, o equilíbrio se reestabelece e mais papilas irão nascer. Gerando menor necessidade da procura por alimentos altamente gordurosos e doces. Pois seu sentido do paladar voltará a funcionar corretamente.

Obesidade e paladar
Obesidade e paladar

Para os mais curiosos ou para os que adoram se aprofundar em todos os assuntos científicos, informamos que a pesquisa foi feita em ratos de laboratório por um grupo de cientistas americanos e divulgada na revista PLOS Biology.  Dividiram os nossos amigos em dois grupos: ratos obesos e ratos geneticamente incapazes de engordar.  O primeiro grupo possuia 25% menos papilas gustativas que o segundo grupo. Os dois grupos foram alimentados com percentuais de gordura e notou-se que realmente não importava a gordura ingerida e sim o nível de tecido adiposo acumulado para a relação com o número de papilas.

A boa notícia é que diferentemente dos ratos, nós humanos podemos escolher nossos alimentos em função de nossos objetivos.

O Lar Natural recomenda: não deixe-se enganar por sua língua. Ela pode estar mentindo para você 😅.


Fonte: Plos Biology

Este post foi publicado em por