O que plantar na horta em março?

Cultive a Natureza no Seu Lar ->
Meu Lar Natural

O Engenheiro Agrônomo Ferreira nos traz as orientações para cultivo de Agrião. O agrião, uma hortaliça-folhosa, pertence à família botânica das brássicas, assim como a couve, couve-flor, repolho, brócolis e rabanete. De folhas pequenas e verde-escuras,  é uma excelente opção para enriquecer saladas. As folhas apresentam um sabor picante, mas suave, que estimula o apetite.

O que plantar na horta em março?

Mais popular por aqui são as variedades chamadas de “agrião d’água“, sobretudo aquelas que pertencem ao grupo de folhas largas. Os brasileiros também costumam consumir muito o agrião de terra seca, sendo algumas vezes preferida como broto.

Não deixe de ler os usos medicinais do Agrião – Clique aqui

Cultivo do agrião d’água:

  • É uma planta que se desenvolve em terrenos alagados ou muito úmidos e, por isto, é conhecido também como agrião-d’água ou agrião aquático.
  •  Os solos mais indicados para o seu cultivo são os que possuem maior capacidade de retenção de água. Os terrenos argilosos, com muita matéria orgânica e baixa acidez (pH entre 6,0 e 6,8) são os ideais.
  •   É uma planta de clima ameno, por isso, se desenvolve melhor em temperaturas que variam de 16 a 20ºC. Com temperaturas mais elevadas, o agrião floresce mais rápido, apresenta um desenvolvimento menor da planta, além de prejudicar a qualidade.
  • Como é uma planta rústica e resistente, o agrião é fácil de cultivar.
  •  A altura ideal da camada de água limpa sobre o solo é de cerca de 2 a 5 cm, mas pode ser cultivado com maiores lâminas de água.  
  • A semeadura do agrião pode ser feita em sementeiras.
  • Deve-se tomar cuidado especial no preparo da sementeira, procurando-se pulverizar bem a terra do canteiro, porque as sementes são muito miúdas (1 g contém, aproximadamente, 5000 sementes).
  • Na sementeira utiliza-se sulcos separados por 10 cm e 0,5cm de profundidade.
  • Para a semeadura, são necessários 0,4 gramas de sementes por m2.

 

#Dica Outro método é plantar ramas de pelo menos 15 cm de comprimento, retiradas de plantas adultas ou de maços de agrião vendidos no comércio, que enraízam com facilidade quando parcialmente mergulhadas em um recipiente com água.

 

  • As pontas e as folhas podem ser colhidas antes do plantio das ramas.
  • Após o transplante das mudas, deixa-se entrar água, que não é mais retirada; com o crescimento das plantas, procura-se ir aumentando a altura da água.
  • O espaçamento recomendado para o  plantio das mudas são de 20 cm entre plantas e 25 entre linhas.
  • As plantas espontâneas (“mato”)  devem serem eliminadas.
  • Assim que as plantinhas apresentarem ramas de 5 cm, é hora de realizar o raleamento ou desbaste, deixando em cada cova, 3 a 4 plantas.
  • As agrieiras devem sempre estar inundadas, mas somente até o ponto em que a folhagem fique fora d’água. 
  • Recomenda-se utilizar 2 kg/m2 de adubo orgânico, 30 dias após o transplante das mudas, preferencialmente com composto orgânico ou esterco de gado curtido.

 

Colheita: 

  • A colheita pode ser feita de 60 a 80 dias depois da semeadura e de 40 a 50 dias no caso em que o plantio é feito com as ramas.
  • As folhas bem desenvolvidas podem ser colhidas individualmente para uso imediato ou as ramas podem ser cortadas, deixando de 5 a 10 cm da rama na planta para que esta possa rebrotar.
  • Podem ser feitas várias colheitas com intervalos de pelo menos um mês entre cada colheita.
  • Os melhores cortes são os realizados na época fria.
  • No verão, há tendência para o florescimento, diminuindo o tamanho das folhas.

Sobre o autor

Augusto Castro é massoterapeuta, reikiano, aprendiz em bio construção, músico percussionista, cursa faculdade de filosofia, autodidata das terapias alternativas e mecânica quântica. Praticante de meditação, buscador dos princípios essenciais que regem o funcionamento do universo, explorador de novos jeitos de caminhar.

Foto: Lush (Reprodução)

Este post foi publicado em por