Como tratar a pele oleosa com argila e óleo essencial

Aromas essenciais para seu equilíbrio ->
Quero conhecer

A pele oleosa não necessariamente causa acne ou vice e versa. As causas de ambas podem variar, como vimos no artigo do mapa das acnes no rosto. Mas é verdade que podem andar juntas, causando desconforto e chateação toda vez que olhamos no espelho, fotos e no dia a dia em geral. A pele oleosa exige cuidados específicos (confira as dicas aqui) e dentre eles, fazer uma máscara de argila com um OE adequado equilibra a oleosidade, rejuvenesce a pele e age contra as bactérias que causam as acnes. Leia mais e descubra!

Como tratar a pele oleosa com argila e óleo essencial

O que você precisa:

  • Argila verde

Rica em óxido de ferro, é usada em tratamentos cicatrizantes, para equilibrar peles oleosas, combater a acne (não é indicada para peles sensíveis), reduzir medidas e também tem ação anti-inflamatória.

 

  • Óleo essencial de cravo

O óleo essencial extraído das folhas e dos botões possuem propriedades semelhantes como antibiótico, antifúngico, analgésico, inseticida e antitumoral. Para tratar acnes, bastam 2 gotas em um cotonete.

Como fazer a máscara de argila verde e óleo essencial de cravo

  • 10g de argila verde;
  • 2 gotas de OE de cravo;
  • 1 colher de sopa de água mineral

1- Bastam 2 gotas do óleo essencial de cravo na argila verde, adicione água e faça a máscara. Não use recipientes ou instrumentos de metal para envolver a mistura;

2- Lave o rosto antes de aplicar a máscara;

3- Aplique com um pincel e deixe por 20 minutos. Enquanto isso, procure se hidratar, aproveite para ler ou meditar;

4- Retire a argila com água aos poucos. Após a aplicação, o ideal é borrifar água termal (veja uma receita caseira aqui) e deixar secar naturalmente. Assim a pele respira um pouco. Caso você não tenha o hábito de usar, aplique seu creme ou óleo hidratante facial.

Não é recomendado o uso de argilas mais de 1 vez por semana. Se sentir que sua pele precisa de um tratamento mais intenso e específico, recomendamos procurar um especialista.

 

Não deixe de compartilhar sua experiência, dúvidas ou questões com a gente!

Fonte: Texto elaborado a partir do material cedido pela Phytoterápica.

Este post foi publicado em por